Publicação critica TKCSA

Compartilhar:

No dia 11 de setembro, será lançada a publicação “Responsabilidade Social pra quê e pra quem”, do Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul (PACS). A atividade será realizada, às 10h, no auditório da Câmara Municipal, na Cinelândia.

Na ocasião, será realizado um debate com o vereador Renato Cinco, a economista Sandra Quintela e moradores e pescadores de Santa Cruz e da Baía de Sepetiba.

A publicação analisa a estratégia da ThyssenKrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA) em investir na chamada “Responsabilidade Social Corporativa” (RSC).

Segundo a pesquisa do PACS, trata-se de um poderoso mecanismo de desmobilização popular, que permite o funcionamento irregular da multinacional que, desde sua inauguração, em 2010, funciona sem licença de operação e prejudica as populações da Zona Oeste e da Baía de Sepetiba.

No início, a empresa era intransigente no diálogo com os grupos organizados de pescadores, moradores e pesquisadores que denunciavam as violações de direitos humanos e ao meio ambiente. A TKCSA ameaçou quem se posicionou contra ela, processou pesquisadores da UERJ e da Fiocruz e fez uma doação secreta de R$ 4,6 milhões para a reforma do prédio do Instituo Estadual do Ambiente (Inea), órgão responsável pelo licenciamento ambiental.

Porém, a partir de 2012, com a mudança de gestão da empresa, mudou também a estratégia de atuação. Em resposta às resistências locais, a siderúrgica abandonou a truculência inicial e passou a atuar na oferta de serviços à população atingida, aproveitando-se do descaso do poder público. Assim, tornou as comunidades atingidas reféns de uma chantagem política: resistir contra as violações de direitos e abdicar dos benefícios contidos nos projetos de RSC ou aceitar esses danos como “inevitáveis”?

Evento no facebook.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *