Não existe escola neutra!

Compartilhar:

A Comissão de Educação e Cultura da Câmara Municipal promoveu, na manhã da última terça-feira (28), uma Audiência Pública para debater o Plano Municipal de Educação (PME) que tramita na Casa.

O debate contou com a participação de representantes das Comissões de Educação e Direitos Humanos, do Ministério Público, da Secretaria de Educação e do Sinpro. As galerias da Câmara ficaram lotadas. 

A audiência precisou ser interrompida durante a fala do vereador Brizola Neto que, após fazer referência às “viúvas da ditadura militar”, obteve como resposta de um grupo de defensores do “Escola sem Partido” um grito de exaltação ao torturador Brilhante Ustra. O debate só teve prosseguimento depois que as pessoas se retiraram, acompanhadas pelos seguranças da Câmara.

Um dos pontos polêmicos foi o debate sobre diversidade e gênero nas escolas. Tais questões aparecem apenas três vezes, e de forma bastante superficial, no texto do PME. Veja o texto apresentado pela Prefeitura na íntegra.

Renato Cinco aproveitou a sua fala durante a audiência para afirmar que não existe escola neutra: “Na verdade o que se quer é uma escola ditatorial, que apresenta apenas um ponto de vista e que tenta enquadrar todo tipo de diferença e diversidade. Agradeço aos defensores (do Escola Sem Partido) por ajudarem a deixar claro para nossa sociedade o que é ser de direita no Brasil. É mais fácil quando ela vem com essa carranca feia, medieval, que deixa claro que ela não tem respeito pelo ser humano, pela diversidade, pela democracia e pelas liberdades”, disse Cinco.

Veja o discurso na íntegra:

Ainda nessa semana, em discurso feito no plenário na quarta-feira (29), Renato Cinco comentou uma propaganda da prefeitura do Rio, publicada no jornal “O Globo” do último domingo. O objetivo da publicidade era promover as “maravilhas” da rede municipal de educação.

Cinco questionou o valor gasto com o anúncio, que ocupou quatro páginas coloridas, e falou sobre o sucateamento da maior parte das unidades de ensino da prefeitura. O vereador também apresentou algumas de denúncias recebidas pelo nosso mandato, que dão conta de escolas que estão funcionado sem porteiro, com mobiliário quebrado e com salas de aula superlotadas e muito quentes.

Assista ao discurso:

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *