Desastre na ciclovia Tim Maia não foi acidente

Compartilhar:

22O desabamento da ciclovia Tim Maia, que resultou na morte de duas pessoas, escancarou a torpe relação entre empreiteiras e o poder público. Mesmo antes da divulgação do laudo que esclareça o motivo da queda da estrutura, já foi constatada uma negligência de construtores e órgãos fiscalizadores da prefeitura.

Neste desastre a prefeitura não pode alegar desconhecimento de falhas na obra, já que uma inspeção do Tribunal de Contas do Município feita antes do acidente recomendou a correção das trincas e depressões no pavimento.

As empresas responsáveis pela construção da ciclovia, do grupo Concremat, pertencem à família do Secretário Municipal de Turismo, Antônio Pedro Viegas Figueira de Mello, que é apontado como um dos principais auxiliares do prefeito Eduardo Paes, e foi seu tesoureiro de campanha nas duas últimas eleições municipais.

O grupo Concremat aparece na lista de doadores das campanhas eleitorais do PMDB. Como “retribuição”, na gestão do prefeito Eduardo Paes, iniciada em 2009, a empresa multiplicou por 18 o valor dos contratos assinados com a Prefeitura do Rio.

Entre 2000 e 2008, empresas do grupo Concremat assinaram 16 contratos com o Município, somando R$ 24,8 milhões, em valores corrigidos. Na gestão Paes, passaram a participar de 54 obras na cidade, com um valor total de R$ 451.600.000,00.

No plenário da Câmara Municipal, o vereador Renato Cinco comentou sobre a relação entre empresas que financiam campanhas eleitorais e são beneficiadas com a execução de obras públicas. “Nós temos financiadores da campanha do Eduardo Paes construindo o Parque Olímpico, construindo a Vila dos Atletas, construindo o campo de golfe, construindo os BRT, fazendo a operação consorciada do Porto Maravilha; todas essas obras, todos esses empreendimentos são pagamento de apoio eleitoral”, declarou Cinco.

Veja a íntegra do discurso:

Cinco também cobrou a abertura da CPI que pretende investigar os contratos das obras olímpicas. O presidente da Casa, vereador Jorge Felippe, rejeitou o pedido desta CPI, mas uma decisão da justiça determinou a abertura da Comissão.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *