Cinco na TV

Compartilhar:

Por ser um partido ainda pequeno e que faz alianças programáticas, o PSOL nunca teve muito tempo de TV. Como tudo que é ruim sempre pode piorar, a mini reforma eleitoral promovida por Eduardo Cunha reduziu ainda mais esse tempo.

Como tem dito Marcelo Freixo, somos mais rápidos que o Bolt! As pequenas aparições de Renato Cinco, de pouco mais de 4 segundos, começaram a ir ao ar nesse final de semana. Passou muito rápido e não conseguiu assistir? Veja aqui!

Compartilhar:

Contra a privatização da CEDAE

Compartilhar:

privatizacao-da-cedae-sera-discutida-em-setembroO PMDB planeja mais um ataque ao patrimônio do povo do Rio de Janeiro. Com o pretexto de combater a crise financeira, o atual governo planeja privatizar o serviço de distribuição de água e tratamento do esgoto, que atualmente é de atribuição da CEDAE.

Em discurso no plenário da Câmara Municipal, o vereador Renato Cinco comentou sobre os mitos do discurso privatista e lembrou que as concessionárias apenas arcam com a manutenção. Os gastos substanciais para ampliação da rede e outras questões estruturais continuam sendo financiados pelo poder público.

“Quando se privatiza o saneamento e o abastecimento, quem sai ganhando não é a população. Quem sai ganhando é quem compra essas empresas, quem conquista as concessões. Porque, a partir do momento que se apropriam desse patrimônio público, usam o mesmo para fazer o que é da natureza das empresas privadas, que é obter lucro”, explicou Cinco.

Veja a íntegra do discurso:

Cinco também citou as experiências de privatização do serviço de água e esgoto em cidades como Buenos Aires e Paris, que adotaram esse modelo nos 80/90 e agora, na última década, estão voltando atrás, com a reestatização.

No final de 2015, nosso mandado realizou o “Seminário Internacional sobre o Colapso Hídrico”. Uma das mesas debateu sobre a reestatização da água. A mesa foi formada por Alexandre Araújo (físico do clima e professor da Universidade Estadual do Ceará); Esteban Castro (professor da Newcastle University, Reino Unido); Emanuele Lobina (professor da University of Greenwich, Reino Unido); Martin Pigeon (pesquisador da Corporate Europe Observatory e organizador do livro “Remunicipalización: El retorno del agua a manos públicas”); e Ary Girota (funcionário da CEDAE e delegado sindical do STIPDAENIT).

Compartilhar:

Uma noite histórica: Freixo debate na Cinelândia

Compartilhar:

Uma noite histórica na Cinelândia!

Mais de cinco mil pessoas lotaram a praça da Cinelândia na última quinta-feira (25) para assistir Marcelo Freixo, que acabou ficando de fora do primeiro debate de tv (na bandeirantes) entre os prefeitáveis do Rio de Janeiro. Além da praça pública lotada, mais de 300 mil pessoas assistiram às diversas transmissões feitas pela internet das respostas que o candidato do PSOL fazia a cada pergunta realizada no debate da band. Freixo respondeu sobre segurança pública, educação e outros temas sem fugir de tabus e a cada resposta era ovacionado pela multidão efusiva na cinelândia.

Assista abaixo como foi:

ENTENDA O CASO:

O Supremo Tribunal Federal decidiu, por 5 (cinco) votos a 3 (três), que os candidatos bem colocados nas pesquisas eleitorais poderão estar presentes nos debates nas TVs, desde que sejam convidados pelas emissoras.

Apesar de Marcelo Freixo estar como segundo colocado na disputa para a prefeitura do Rio, a mini reforma política, promovida por Eduardo Cunha (PMDB), impedia os partidos com menos de dez deputados federais de participarem destes programas.

A situação poderia ser revertida se dois terços dos candidatos com presença garantida concordassem com a participação de Marcelo Freixo. Entretanto, Pedro Paulo (PMDB), Flávio Bolsonaro (PP) e Índio da Costa (PSC) vetaram a sua presença. Como a decisão do STF aconteceu após o debate promovido pela TV Bandeirantes, no último dia 25, Marcelo ficou de fora deste primeiro embate.

Como se vê acima, o tiro saiu pela culatra, pois Freixo promoveu um debate em praça pública, transmitido ao vivo pela internet, que reuniu mais de cinco mil pessoas na Cinelândia. O vídeo exibido teve mais de 300 mil visualizações e ainda rendeu repercussão nos noticiários do dia seguinte.

O próximo debate televisivo será promovido pela Rede TV, na sexta-feira (02), a partir das 22h15.

 

Compartilhar:

Começou: nosso bloco está nas ruas!

Compartilhar:
13925263_1096102563802812_3265294882655676663_n
Somente quem constrói política com desejo real de mudança é capaz de levar às ruas muita gente disposta a construir outra história para a cidade.
Na manhã desta terça, 16, ocupamos o calçadão de Campo Grande e à noite colorimos a Cinelândia com Marcelo Freixo e Luciana Boiteux (nossa candidata à vice) para dizer que não aceitaremos ataques e retrocessos.
Nas palavras do nosso candidato a prefeito, “enchemos as ruas assim como cresce a lua” e anunciamos a urgência de construir um projeto coletivo e alternativo para o Rio. O convite está feito: vem com a gente lutar por socialismo e liberdade.
Serão 45 dias de Campanha e uma certeza: a nossa vitória não será por acidente, será fruto da organização de quem está indignado com uma cidade cara, excludente, onde o lucro das empresas está acima da vida. É por isso que iniciamos nossa caminhada em busca da reeleição de Renato Cinco, para manter um mandato coletivo que continue sendo um instrumento a serviço de todas as lutas pela dignidade humana, como fizemos nesses quatro anos.
Outra cidade é possível!
Basta de guerra aos pobres!
#RenatoCinco50555  #Freixo50

Confira abaixo um pouco das atividades em Campo Grande e na Cinelândia:

Compartilhar:

Jogos olímpicos e a “imobilidade” urbana

Compartilhar:

As tarifas são altas e as condições das frotas ruins, não cumprindo com o compromisso de ar condicionado.

A “irracionalização” de Paes se iniciou na Zona Oeste, com os BRT’s prometendo mais rapidez e conforto. Entretanto, todos os dias vivenciamos mais tempo gasto para o mesmo percurso e mais desconforto, com veículos lotados e mais baldeações. Os BRT’s mudaram o ritmo do trânsito em vários bairros, acarretando acidentes e novos atropelamentos.

No Centro, onde passam diariamente trabalhadores de toda a região metropolitana, muitos ônibus deixaram de circular até onde chegavam, obrigando as pessoas a andarem longos trechos ou a usar o VLT, que deveria ser gratuito, e não uma fábrica de multas caríssimas para quem não conseguir pagar a passagem. A população também é forçada a ter cartões pré-pagos, que só servem para antecipar o faturamento dos empresários.

O transporte também ficou mais caro, por que muitos itinerários dependem de mais baldeações e do pagamento de outra passagem.

Aliás, os ônibus, metrôs, barcas, trens e o bilhete único estadual ficaram mais caros. Todos eles estão cada vez mais lotados e apresentam cada dia mais problemas. Agora nossos engarrafamentos duram o dia inteiro, em todas as áreas da cidade.

Outra promessa de melhoria foram as obras das Trans. A TransBrasil construiu um BRT sobre a já saturada Avenida Brasil, provocando transtornos até depois das 22h, dobrando, em média, o tempo de travessia. A TransOlímpica também provocou, na região de Jacarepaguá, o aumento dos engarrafamentos. Com o afundamento do Viaduto em Curicica, percebemos que a qualidade da obra também está comprometida.

Muitas promessas. Mas, no dia a dia, o legado olímpico foi a piora dos transportes e da mobilidade!

Compartilhar:

Na roda com o Cinco: o papel do legislativo na sua vida

Compartilhar:

As eleições municipais estão chegando. Neste ano serão escolhidos os prefeitos e vereadores de cada cidade. Você sabe qual é a função de um vereador?

O próximo “Na roda com o Cinco” abordará o tema “O papel do legislativo na sua vida”. Depois de quase quatro anos como vereador, acompanhando de perto o dia a dia do parlamento carioca, Renato Cinco promete destrinchar as funções e responsabilidades das Câmaras Municipais.

A palavra parlamento vem do francês parler, que significa “falar” ou “discursar”. As casas legislativas existem para que prefeitos, governadores e presidentes não tomem decisões de forma unilateral.

O programa acontecerá no próximo domingo (14), às 20h. A transmissão será realizada pelo facebook. Participe!

 

Compartilhar:

Censura olímpica

Compartilhar:

 As cenas dos últimos dias, nas quais homens da Força Nacional de Segurança impediram manifestações contra o presidente interino Michel Temer, chamaram a atenção para as restrições às liberdades democráticas vividas neste período olímpico.

Espectadores dos jogos tiveram cartazes confiscados e alguns foram retirados pela força das arquibancadas. A liberdade de expressão foi ferida e Constituição Federal violada.

O vereador Renato Cinco (PSOL) usou a tribuna da Câmara Municipal para denunciar tais abusos:

Cinco lembrou ainda que os Jogos Olímpicos estão servindo aos interesses das grandes empreiteiras e da especulação imobiliária.

“Eu gosto das Olimpíadas, mas eu lamento que elas tenham sido sequestradas pela especulação imobiliárias, as empreiteiras e os políticos financiados por estas. O ouro olímpico foi para eles. Para o povo do Rio de Janeiro sobraram as dívidas. São mais de 10 bilhões de reais emprestados pela prefeitura para a organização desses jogos olímpicos”, disse.

 

Compartilhar:

Polícia “visita” sede do PCB durante debate

Compartilhar:

13923632_1084863574926711_5449869409996367511_oNa quinta-feira (28), a sede nacional do Partido Comunista Brasileiro (PCB) recebeu uma “visita” intimidatória da Polícia Militar.

Por ocasião de um debate sobre desmilitarização da segurança pública, que foi realizado na sede do partido, a PM-RJ foi em “busca de informações sobre o evento”. Também foi informado por um dos policiais que aquele não era o único evento que estava sendo monitorado.

Nós, do mandato do vereador Renato Cinco – PSOL, nos solidarizamos com o PCB, contra a tentativa de intimidação e perseguição aos companheiros de luta, da esquerda combativa.

Esse clima repressivo tem se agudizado em função da lei antiterror, aprovada ainda no governo de Dilma Roussef e, mais ainda, por ocasião das Olimpíadas, onde o governo golpista de Temer já tem dado claras mostras de enrijecer os ataques aos movimentos sociais.

Aproveitamos o ensejo para reafirmar que absurdos como esses só confirmam a necessidade, mais do que urgente, da unidade da esquerda socialista para resistir aos ataques e perseguições.

Em sua página no facebook, Heitor Cesar, pré-candidato a vereador pelo PCB e pela Frente de Esquerda no Rio, declarou:

“Tempos sombrios!

Estamos organizando agora um debate democrático sobre desmilitarização da segurança pública,na sede nacional do PCB, e fomos surpreendidos com a “ilustre” visita da Polícia Militar em busca de informações sobre o evento. O sargento justificou que cumpria ordens do comando do batalhão da área e que esse não era o único evento monitorado.

Este é apenas um exemplo do dito Estado Democrático que vivemos. Lutar não é crime!”

 

Compartilhar:

Rio 2016, os jogos da exclusão: programa ao vivo Na Roda com Cinco

Compartilhar:

Na Roda # 2Não é novidade para quase ninguém que os Jogos Olímpicos Rio 2016 trouxeram mais transtornos do que benefícios para a população. Muitos dos projetos prometidos como legado nem chegaram a sair do papel. Outros saíram bem diferentes do que foi propagandeado: com diversas suspeitas de corrupção, obras de péssima qualidade, problemas de mobilidade urbana iguais ou maiores do que já tínhamos e remoções de comunidades inteiras.

É fundamental denunciar as diversas irregularidades e violações de direitos realizadas em nome dos Jogos. Por tudo isso, a segunda edição do “Na roda com Cinco” terá como tema “Rio 2016: jogos da exclusão”. A atividade será realizada no domingo (06), às 20h. A transmissão será realizada pelo facebook.

Aproveite um bom papo sem nem precisar sair de casa!

Confirme presença no evento do facebook.

Compartilhar:

Maconha medicinal reduz prescrição de remédios industrializados

Compartilhar:

Um estudo realizado pela Universidade da Geórgia, nos EUA, analisando dados de prescrição de medicamentos industrializados, identificou uma taxa menor de utilização destas drogas nos estados norte-americanos onde a utilização de maconha para fins medicinais é permitida.

De acordo com o trabalho, esse consumo reduzido de medicamentos levou a uma economia de US$ 165,2 milhões para os cofres públicos em 2013. “Os resultados sugerem que as pessoas estão realmente usando a maconha como medicamento, não apenas para recreação”, diz a pesquisadora Ashley Bradford, professora da Universidade da Geórgia.

Continuar lendo Maconha medicinal reduz prescrição de remédios industrializados

Compartilhar: