Renato Cinco na luta pelo “Fora Temer” e por “Eleições gerais já!”

Compartilhar:

Nesta quarta-feira (31), teve fim o julgamento do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) no Senado. Com 61 votos a favor e 20 contrários ao impeachment, Michel Temer assume oficialmente como presidente da república. Em discurso no plenário da Câmara Municipal nesta terça-feira (30), o vereador Renato Cinco fez questão de protestar contra o presidente interino Michel Temer. Exibindo uma camiseta vermelha com os dizeres “Lutar Sempre, Temer Jamais” em letras garrafais, Cinco se posicionou firmemente contra um governo que irá atacar ainda mais os direitos trabalhistas e os setores oprimidos. Opositor do governo de Dilma, protestou contra a forma antidemocrática com a qual todo o processo de impeachment vem sendo conduzido, lembrando que muitos dos protagonistas da derrubada de Dilma são réus no STF, como o ex-presidente da Câmara, o deputado federal afastado Eduardo Cunha.

“O impeachment está previsto na constituição, mas precisa seguir os critérios e determinações constitucionais. Afastar a presidenta da república sem que se configure o crime de responsabilidade é sim um golpe parlamentar”, afirmou Cinco. Segundo o parlamentar do PSOL, os senadores que acusam Dilma não conseguiram, em seu interrogatório, provar o crime de responsabilidade e usaram de argumentos completamente sem sentidos. “Alguns senadores fazem discursos como se nós vivêssemos no parlamentarismo, dizendo que a presidenta tem que sofrer um impeachment porque perdeu a sua base parlamentar”, completou.

Cinco ainda alertou para o fato de que estamos entrando numa etapa mais dura da política nacional. “Hoje, o povo brasileiro precisa se levantar, se insurgir e derrubar o governo interino e golpista de Michel Temer e afastar o Senado e a Câmara dos Deputados, que impetraram esse golpe. O governo usará da força da violência para tentar impor a retirada de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. E a classe trabalhadora brasileira vai precisar de muita disposição, organização, de muita luta para se mobilizar, ir às ruas e exigir o ‘Fora Temer’ e ‘Eleições gerais já!’”, disse.

Veja a íntegra do discurso: 

Em defesa dos direitos do povo brasileiro, o mandato coletivo do vereador Renato Cinco grita: “Fora Temer! Eleições gerais já!”

Compartilhar:

Contra a privatização da CEDAE

Compartilhar:

privatizacao-da-cedae-sera-discutida-em-setembroO PMDB planeja mais um ataque ao patrimônio do povo do Rio de Janeiro. Com o pretexto de combater a crise financeira, o atual governo planeja privatizar o serviço de distribuição de água e tratamento do esgoto, que atualmente é de atribuição da CEDAE.

Em discurso no plenário da Câmara Municipal, o vereador Renato Cinco comentou sobre os mitos do discurso privatista e lembrou que as concessionárias apenas arcam com a manutenção. Os gastos substanciais para ampliação da rede e outras questões estruturais continuam sendo financiados pelo poder público.

“Quando se privatiza o saneamento e o abastecimento, quem sai ganhando não é a população. Quem sai ganhando é quem compra essas empresas, quem conquista as concessões. Porque, a partir do momento que se apropriam desse patrimônio público, usam o mesmo para fazer o que é da natureza das empresas privadas, que é obter lucro”, explicou Cinco.

Veja a íntegra do discurso:

Cinco também citou as experiências de privatização do serviço de água e esgoto em cidades como Buenos Aires e Paris, que adotaram esse modelo nos 80/90 e agora, na última década, estão voltando atrás, com a reestatização.

No final de 2015, nosso mandado realizou o “Seminário Internacional sobre o Colapso Hídrico”. Uma das mesas debateu sobre a reestatização da água. A mesa foi formada por Alexandre Araújo (físico do clima e professor da Universidade Estadual do Ceará); Esteban Castro (professor da Newcastle University, Reino Unido); Emanuele Lobina (professor da University of Greenwich, Reino Unido); Martin Pigeon (pesquisador da Corporate Europe Observatory e organizador do livro “Remunicipalización: El retorno del agua a manos públicas”); e Ary Girota (funcionário da CEDAE e delegado sindical do STIPDAENIT).

Compartilhar: