A relação da Concremat com as remoções

Compartilhar:

A “Agência Pública” divulgou, semana passada, uma excelente reportagem, na qual associa a empreiteira Concremat, responsável pela construção da ciclovia Tim Maia, à remoção de diversas comunidades do Rio de Janeiro. Segundo a matéria, a Concremat foi contratada emergencialmente entre 2010 e 2013, pela Geo-Rio, para identificar áreas de risco em encostas – procedimento que dispensa licitação pelo caráter de urgência.

Os laudos apresentados pela empresa na época eram superficiais e tinham apenas uma página para cada comunidade analisada. Com base nesses estudos, a prefeitura chegou a determinar a remoção integral de comunidades populosas como Laborioux, na Rocinha, e o Morro dos Prazeres, com mais de 8 mil moradores. Felizmente, a aguerrida resistência dos moradores e a atuação da defensoria pública conseguiram impedir que tais comunidades fossem varridas do mapa.

Logo após o incidente com a ciclovia, nosso mandato obteve informações sobre contratos da Concremat, que envolviam a prestação de serviço em comunidades parcial ou totalmente removidas como Vila Autódromo, Indiana, Vila das Torres, Belém Belém e Metrô Mangueira. Mas a descrição dos contratos era muito vaga: “Prestação de Serviços de apoio para o desenvolvimento do trabalho técnico, em caráter emergencial, nas áreas de intervenção das comunidades(…)”

Com o objetivo de esclarecer a natureza do serviço prestado e sua relação com a remoção dessas comunidades, nosso mandato adotou duas iniciativas: demos entrada em um requerimento de informação e em um pedido de Inspeção Especial no Tribunal de Contas do Município.

Link para RI

Link para matéria

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *