A corrupção e as empreiteiras: um assunto carioca

Compartilhar:

33Um dos méritos da Operação Lava Jato é o grande debate que tem sido feito sobre a corrupção na política com a participação de grupos empresariais, principalmente as maiores empreiteiras do país.

Não causa surpresa o fato destes doadores para campanhas eleitorais também serem os principais beneficiados nos contratos de grandes obras realizadas pelo poder público. Nos últimos anos, estes grupos empresariais também foram beneficiados com a concessão para administrar aeroportos, rodovias e estádios de futebol.

No plenário da Câmara Municipal, o vereador Renato Cinco lembrou que as suspeitas de doações irregulares não afetam apenas o círculo político de Brasília, já que as listas também apresentam nomes da administração municipal, como o prefeito Eduardo Paes.

“Todos os grandes projetos, todas as grandes obras, todo o legado olímpico da Cidade do Rio de Janeiro, tem o envolvimento da Odebrecht. E aí querem me convencer de que a Odebrecht só é corrupta no âmbito federal”, declarou Cinco.

Veja a íntegra do discurso:

Na lista de possíveis beneficiados por doações da Odebrecht aparece o nome do prefeito Eduardo Paes (apelidado de “Nervosinho”); do presidente da Câmara Municipal, o vereador Jorge Felippe; e do ex-vereador e hoje conselheiro do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, Luiz Guaraná.

Cinco também criticou as manobras contábeis que acabam ocultando as doações de grande empreiteiras para campanhas eleitorais.

“Essa lista esbarra num problema de verificação. Na maioria dos casos a Odebrecht, apesar de em sua contabilidade nomear os políticos individualmente, na hora de fazer as doações, a Odebrecht e a maior parte das grandes empreiteiras realizam doações para o comitê financeiro do partido e não para os candidatos, que depois recebem as doações através do comitê financeiro”, explicou Cinco.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *